HomeNewsOs 3 principais ETFs que mais reagiram à invasão russa da Ucrânia

Os 3 principais ETFs que mais reagiram à invasão russa da Ucrânia

Mircea Vasiu

Os ETFs com exposição à Rússia e aos mercados de energia são os que mais reagem à guerra na Ucrânia. Aqui estão três nomes a serem observados: VanEck Russia ETF (RSX), iShares MSCI Russia ETF (ERUS) e Energy Select Sector SPDR Fund (XLE).

A invasão da Ucrânia pela Rússia desencadeou uma fuga para a segurança nos mercados financeiros. Como tal, os mercados de ações globais caíram enquanto os investidores reequilibravam suas carteiras em reação tardia aos desenvolvimentos.

Mas não apenas os mercados de ações ocidentais foram afetados. O mercado russo literalmente desmoronou em -49% com a notícia de que o país invadiu seu vizinho. Apenas o mercado do Sri Lanka caiu mais em uma única sessão em 1989.

Enquanto poucos investidores individuais tiveram investimentos diretos no mercado de ações russo, alguns ETFs ou Exchange Traded Funds tiveram exposição direta a ele. Então, aqui estão os três principais ETFs prontos para reagir mais à invasão russa da Ucrânia: VanEck Russia ETF (RSX), iShares MSCI Russia ETF (ERUS) e Energy Select Sector SPDR Fund (XLE).

VanEck Russia ETF (RSX)

VanEck Russia ETF é o primeiro ETF russo nos mercados. Investe em empresas russas por meio de ADRs ou American Depository Receipts e tem exposição a alguns dos maiores negócios russos, como Norilsk Nickel, Sberbank ou Lukoil.

O RSX caiu mais de -20% no dia, já que alguns de seus componentes literalmente despencaram. Foi o caso do Sberbank, que caiu mais de -70% no dia.

iShares MSCI Russia ETF (ERUS)

O ERUS é um ETF ponderado pela capitalização de mercado com foco em ações russas. Sem surpresa, caiu mais de -18% no dia, já que alguns de seus constituintes sofreram um grande golpe.

Gazprom, Lukoil e Sberbank são suas 3 principais participações.

Energy Select Sector SPDR Fund (XLE)

Os preços do petróleo dispararam com a notícia da invasão russa. POR EXEMPLO, o preço do petróleo bruto WTI foi negociado acima de US$ 100/barril pela primeira vez desde 2014.

No entanto, grandes produtores de petróleo nos Estados Unidos, como Exxon Mobil e Chevron, estão em baixa no dia, apesar do movimento nos mercados de petróleo. Como a Exxon Mobil e a Chevron são as duas maiores participações da XLE, com mais de 20% de ambas, o ETF caiu no dia em cerca de -2%.