HomeNewsPrevisão de preço do FTSE 100 em meio ao ciclo de aperto do BOE

Previsão de preço do FTSE 100 em meio ao ciclo de aperto do BOE

Mircea Vasiu

O Banco da Inglaterra é um dos primeiros grandes bancos centrais a aumentar as taxas de juros em meio ao aumento da inflação. Ele fez isso duas vezes até agora durante este ciclo de aperto. No entanto, o mercado de ações do Reino Unido continua apostado, conforme refletido pelo índice FTSE 100, que atingiu novos máximos após cada aumento de taxa fornecido pelo banco central.

Os avanços ou declínios do mercado de ações são influenciados por dois fatores principais. Um deles é o desempenho financeiro de cada empresa individual durante o período do relatório – um trimestre ou um ano, por exemplo.

Por isso, uma forte temporada de resultados por si só é suficiente para impulsionar os principais índices do mercado de ações e sustentar um rally no mercado de ações. Mas isso não é suficiente.

Outro fator é a política monetária. O banco central define o nível da taxa de juros na economia depois de interpretar as mudanças na inflação, crescimento econômico, emprego, etc.

Taxas de juros mais baixas são estimulantes para o ambiente econômico. Os bancos comerciais emprestam mais capital a empresas e indivíduos porque o custo do dinheiro é baixo. Como tal, as empresas relatam ganhos mais fortes devido ao sentimento otimista reinante. Naturalmente, as baixas taxas de juros são otimistas para as ações.

O contrário deve acontecer quando o banco central apertar a política monetária. Taxas de juros mais altas levam os bancos comerciais a ter mais dificuldade em emprestar. Assim, o dinheiro é “sugado” do sistema financeiro à medida que as condições financeiras se apertam. Isso é ações de baixa.

Então, como devemos interpretar o desempenho do índice FTSE 100, o principal índice do mercado de ações do Reino Unido, ultimamente? Apesar do Banco da Inglaterra ter aumentado a taxa de juros duas vezes, o índice continua subindo.

A imagem técnica do FTSE 100 permanece otimista

O gráfico acima mostra o rali implacável, apesar de duas taxas de juros já entregues. A série contínua de altos e baixos mais altos dificulta a venda de ações do Reino Unido, pois sugere mais força.

O banco central está atrás da curva?

O quadro técnico otimista leva à impressão de que o Banco da Inglaterra está atrás da curva. A força do mercado sugere que os aumentos das taxas já foram precificados e que a economia, juntamente com o mercado de ações, pode lidar com taxas ainda mais altas.

Não é o único banco central que parece estar atrás da curva. Por exemplo, a inflação nos Estados Unidos atingiu 7,5% em janeiro, mas o Federal Reserve ainda adota uma flexibilização quantitativa. Assim, os bancos centrais parecem reagir lentamente à evolução dos mercados financeiros, o que é positivo para as ações.