HomeNewsAções da WWE atingem alta de 52 semanas, desafiando as tendências do mercado, após o escândalo de McMahon

Ações da WWE atingem alta de 52 semanas, desafiando as tendências do mercado, após o escândalo de McMahon

News Team

A World Wrestling Entertainment, Inc. (NYSE: WWE) está desafiando as tendências de mercado mais amplas este ano.

As ações da empresa subiram mais de 50% em 2022, atingindo uma alta de 52 semanas na segunda-feira, e sendo negociadas em níveis não vistos desde o verão de 2019. O S&P 500, em comparação, caiu mais de 20% este ano.

O forte desempenho da ação este ano ocorreu quando os negócios de eventos de luta ao vivo da WWE voltaram a crescer após meses de restrições do Covid e a empresa tornou-se cada vez mais objeto de negociações de venda. As ações continuaram indo bem depois que o líder de longa data e maior acionista da WWE, Vince McMahon, se aposentou da empresa durante o verão em uma nuvem de escândalo.

As ações da WWE estavam efetivamente estáveis na segunda-feira depois de atingirem $ 76,90. A capitalização de mercado da empresa é superior a US$ 5,6 bilhões.

Especialistas da indústria acreditam que a WWE pode ser um alvo de aquisição. Um acordo pode ocorrer antes da próxima renovação dos direitos de TV da empresa nos EUA – provavelmente anunciada em meados de 2023. O atual contrato de streaming da WWE nos EUA com Peacock da NBCUniversal expira em 2026.

O analista John Healy, da Northcoast Research, que cobre a WWE, vê o sucesso das ações como uma confluência de classificações de sucesso, oportunidades de acordos de mídia e especulações sobre uma possível aquisição.

“Essa especulação vem acontecendo há muito tempo e acho que sempre estará em torno desta empresa, dado o ativo único que é e a estrutura de propriedade”, disse Healy à CNBC na segunda-feira.

Ele também observou que a WWE está relativamente isolada das tendências do consumidor, dizendo que “dois terços da receita vem de relacionamentos fechados” com empresas de mídia. Dado um mercado de mídia altamente saturado, Healy espera altos lances pelos direitos de “Raw” e “Smackdown”, que devem ser renegociados no próximo ano.

A WWE também teve que lidar com as controvérsias de McMahon. Ele se aposentou em julho depois que foi revelado que ele havia pago quase US$ 20 milhões em despesas não registradas anteriormente.

Desses pagamentos, quase US$ 15 milhões foram para resolver acusações de má conduta sexual de quatro mulheres contra McMahon nos últimos 16 anos, e US$ 5 milhões foram para a fundação de Donald Trump de doações feitas em 2007 e 2009.

A WWE deu a entender que os pagamentos em dinheiro para supostas vítimas, já objeto de uma revisão independente em andamento supervisionada pelo conselho da empresa, estão sob investigação de outras entidades.

Ainda assim, a WWE permaneceu na família. Stephanie McMahon, filha de McMahon, assumiu como presidente e co-CEO ao lado de Nick Khan, ex-presidente da empresa. O marido e lutador de longa data de Stephanie, Paul “Triple H” Levesque, assumiu o cargo de principal executivo criativo da empresa, o papel que o velho McMahon tinha antes de se aposentar.

Vince McMahon, 77, continua sendo o maior acionista da empresa, com cerca de 32% das ações.