HomeNewsAções da Uber e Lyft caem no plano de economia ‘Gig’ dos EUA

Ações da Uber e Lyft caem no plano de economia ‘Gig’ dos EUA

News Team

As ações de algumas das maiores empresas de economia “gig” do mundo caíram depois que o governo dos EUA delineou um plano para mudar a maneira como os trabalhadores são tratados.

De acordo com a proposta do Departamento do Trabalho dos EUA, os trabalhadores seriam mais propensos a serem classificados como empregados em vez de contratados independentes.

As ações de empresas como Uber Technologies Incv (NYSE: UBER) e LYFT Inc (NASDAQ: LYFT) caíram mais de 10% com a notícia.

Dezenas de milhões de pessoas trabalham na economia global em serviços como entrega de alimentos e transporte.

O secretário do Trabalho dos EUA, Marty Walsh, disse que a regra visa impedir que as empresas classifiquem erroneamente os trabalhadores como contratados independentes.

Walsh disse que seu departamento viu muitos casos em que “empregadores classificam erroneamente seus funcionários como contratados independentes, particularmente entre os trabalhadores mais vulneráveis do país”.

“A classificação incorreta priva os trabalhadores de suas proteções trabalhistas federais, incluindo o direito de receber seus salários completos e legalmente ganhos”, acrescentou.

As consultas públicas para a proposta começam na quinta-feira e têm duração de 45 dias.

  • Uber perde US$ 5,9 bilhões com queda no valor dos investimentos na Ásia
  • O que é a economia ‘gig’?

As ações da Uber fecharam em queda de 10,4% em Nova York na terça-feira, enquanto a Lyft perdeu 12% e a DoorDash fechou em queda de 6%.

Dan Ives, analista da Wedbush Securities, disse que o plano foi “um golpe claro para a economia gig e uma preocupação de curto prazo para empresas como Uber e Lyft”.

“Com o compartilhamento de caronas e outros players da economia gig dependendo do modelo de negócios do contratado, uma classificação para os funcionários basicamente colocaria o modelo de negócios de cabeça para baixo e causaria algumas mudanças estruturais importantes”, disse Ives em nota.

Uber, Lyft e DoorDash não responderam imediatamente aos pedidos de comentários da BBC.

As empresas de economia gig estão sob crescente escrutínio à medida que a indústria cresce em tamanho.

A empresa de pagamentos Mastercard estimou que 78 milhões de pessoas estarão empregadas na economia gig até o próximo ano.

Os trabalhadores temporários são pagos por tarefas individuais, como entrega de comida ou viagem de carro, em vez de receberem um salário regular.

A maioria das leis trabalhistas federais e estaduais dos EUA, como as que exigem salário mínimo ou pagamento de horas extras, não se aplicam a trabalhadores temporários.

No ano passado, a Suprema Corte do Reino Unido decidiu que os motoristas do Uber precisavam ser tratados como trabalhadores e não como autônomos.

Isso ocorreu depois que dois ex-motoristas argumentaram que deveriam ter direito ao salário mínimo e ao pagamento de férias.

James Farrar e Yaseen Aslam levaram a empresa a um tribunal trabalhista em 2016.

A Uber disse que a decisão se concentrou em um pequeno número de motoristas e desde então fez mudanças em seus negócios.